Você sabe como funciona a biometria? Veja como funciona essa tecnologia que tanto utilizamos em nosso dia a dia.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

No desbloqueio de uma tela, utilizando caixas automáticos ou em terminais de embarque em aeroportos, a biometria tem sido incorporada em diversos aspectos dos nossos dias, por ser um eficiente mecanismo de segurança. Mas você sabe como essa tecnologia funciona?

Simplificando, a biometria é o estudo estático das características físicas e comportamentais dos seres vivos; bio (vida) + metria (medida). Esse termo é utilizado também como maneira de identificar unicamente um indivíduo por meio de suas características físicas ou comportamentais. A biometria foi criada no Japão na década de 1980, para facilitar a vida de autoridades em relação à segurança. Hoje em dia, ainda é muito utilizada para reconhecimento, identificação criminal, controle de acesso à dados e aparelhos eletrônicos, etc.

Como cada pessoa é única e possui características singulares, tanto em aspectos físicos como comportamentais, a biometria tem se mostrado uma maneira bem-sucedida para auxiliar na segurança de empresas, instituições governamentais e em outras áreas. Os sistemas biométricos podem requerer identificação através de diferentes características do corpo de uma pessoa, como os olhos, as digitais, a retina, a íris dos olhos ou ainda a palma da mão. Também é possível que sistemas biométricos consigam identificar alguém por meio da voz, maneira de andar, forma como reage a sustos, entre outros.

Os principais meios de biometria atualmente são:

  • Impressão digital – Captação das linhas encontradas nos dedos por meio de um leitor biométrico que impulsiona o sistema a compará-lo com seu banco de dados.
  • Reconhecimento facial – Realiza a leitura dos traços do rosto de um indivíduo.
  • Veias – Realiza a captação de informações baseados nos volumes de veias aparentes do corpo de uma pessoa.
  • Identificação pela íris – Fotografia da íris do olho realizada sob uma iluminação infravermelha.
  • Identificação pela retina – Informações são coletadas por meio de um foco de luz.
  • Geometria da mão – Envolve a identificação do tamanho, da estrutura e da posição da palma da mão de uma pessoa.
  • Reconhecimento de voz – Analisa a sonoridade, a gravidade e os sinais agudos de uma voz. Pode falhar, visto que existem pessoas que sofrem mudanças na estrutura oral.

Utilizando esses elementos, ativa-se os principais componentes de um sistema biométrico: a captura, a extração e a comparação.

Na captura pode-se realizar a identificação de um indivíduo com a aquisição de uma amostra biométrica, isso pode ser feito por meio de digitais ou por meio da leitura da íris, por exemplo. No entanto, na extração é realizada a remoção de uma amostra de informação biológica única do indivíduo, em que, com base nela, será feita a identificação. E por último, a comparação utiliza o template (como é chamado o resultado da extração) armazenado para compará-lo com outra pessoa.

O futuro reserva uma expansão ainda maior na utilização da biometria. Se você deseja entender mais sobre essa tecnologia e se aprofundar no assunto, recomendamos a leitura do artigo “Authorship verification using deep belief network systems” do autor Brocardo ML, Traore.

Veja também últimos posts.