LGPD, um longo caminho de desafios para as empresas brasileiras

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

LGPD, um longo caminho de desafios para as empresas brasileiras
Após 1 ano em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados, muitas empresas ainda não começaram a se movimentar para se adequarem às novas regras, bem como outras ainda estão na fase transitória, encontrando grandes desafios pela frente.
Além de todo o movimento de mudança e adequação, um dos grandes obstáculos presentes na referida transição se encontra no valor monetário, o qual, por muitas vezes, as empresas não estão dispostas ou capacitadas para o dispêndio, no intuito de realizar a regularização necessária.
O que é a Lei?
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018, dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de

proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.
Criada após um debate de vários anos, resumidamente, a LGPD estabelece normas para que as empresas e organizações guardem, usem e compartilhem dados pessoais de clientes, tanto no meio online quanto no meio físico, ressaltando-se a devida proteção a tais informações e destacando-se a obrigatoriedade de proteção no âmbito empresarial, para que não haja eventuais vazamentos, algo que se tornou notório nos últimos anos em algumas corporações, e principalmente na pandemia.
Mas afinal, o que são considerados dados pessoais?
O dado pessoal é qualquer informação que se relaciona a uma pessoa natural identificada, ou identificável.
Pessoa Natural Identificada: você pode pensar em RG, nome completo, CPF, endereço etc…
Pessoa Natural Identificável, é um conceito aberto: foi criado para definir informações como geo-localização, endereço IP, Device ID, redes de Wifi, antena e localização, se for possível combinar essas várias informações e singularizar um indivíduo.
Vale observarmos que estamos falando de dados pessoais, então não necessariamente são apenas as informações cadastrais, mas uma reunião de informações com o escopo final de identificar uma determinada pessoa, seja física ou jurídica.

E como as empresas estão diante dessa novidade?
Pesquisa realizada pela empresa Resultados Digitais em parceria com a Manar Soluções em Pesquisa e Eduardo Dorfmann Aranovich e Cia Advogados, no período entre janeiro e abril de 2021, com uma amostra de 997 participantes, sendo 60% delas microempresas, com erro amostral máximo de 3,1% para resultados gerais, com intervalo de confiança de 95%, foi revelado que a maioria das empresas estão bem-

informadas sobre a Lei e suas sanções, mas exibe um baixo índice de adequação para a entrada em vigor das punições, no dia 1º de agosto.
A pesquisa mostra que, 77% das companhias estão atrasadas no processo de adequação; apenas 15% já terminaram ou estão na reta final de sua adaptação.
A tendência apontou para empresas apostando no uso de recursos internos para a adequação.
Como disposto, não existe uma única grande causa para o atraso das empresas nacionais na adequação aos padrões da LGPD. A pesquisa revela a existência de uma pulverização de gargalos, com destaque para os principais pontos: complexidade das medidas, ausência de pessoas especializadas e ausência do conhecimento necessário.
E na hora de contratar algum produto, é necessário verificar se estão de acordo com a LGPD?
Partimos do pressuposto de que as empresas que estão mais organizadas dentro do mercado e em conformidade com as leis dos seus respectivos países, acabam por desenvolverem políticas internas fortes e cumprem de fato com o que se propõem a entregar.
Na hora de contratar a empresa de serviços, ou de produtos, é importante ficar atento se o que lhe oferecem está de acordo com a LGPD, para que o contratante não corra o risco de ter o retrabalho de adaptar aquela nova contratação às novas regras de proteção de dados.

Por Deborah Modad

Veja também últimos posts.