Prova de vida por reconhecimento facial. Novidade que veio para ficar

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

A prova de vida é um procedimento obrigatório em muitas ocasiões, a fim de comprovar que quem está realizando o cadastro está fisicamente presente e vivo!

Levando em consideração que atualmente muitas pessoas não podem sair de casa ou até mesmo preferem realizar os procedimentos em sua residência, com maior rapidez e facilidade, as instituições optaram pelo reconhecimento facial para apoiá-los neste processo.

Para exemplificar, podemos citar atuações que são obrigatórias pelo cidadão brasileiro, e hoje, estão sendo realizadas através da biometria fácil.  A prova de vida é obrigatória para os segurados do INSS que recebem seu benefício por meio de

conta corrente, conta poupança ou cartão magnético, assim, todos os anos os beneficiários devem comprovar que estão vivos para evitar fraudes e pagamentos indevidos de benefícios.

Com a evolução tecnológica, já é possível facilitar a vida dos aposentados, a realização do reconhecimento facial e das digitais unificadas podem ser feitas através de um smartphone e com um elevado grau de exatidão, permitindo comprovar que o usuário está vivo.

Esta mesma tecnologia, que já é utilizada nos bancos digitais para aberturas de contas, agora vem ganhando espaço em outros seguimentos, com o objetivo de reduzir fraudes, além de facilitar a vida de diversos brasileiros, principalmente na pandemia. 

Você sabe como funciona a prova de vida com o reconhecimento facial?

A prova de vida, procedimento que confere a autenticação e vivacidade facial, pode ser usada em ambiente mobile ou web. Utilizando redes neurais é possível avaliar, de forma cognitiva, a vídeo selfie em diversos aspectos, e assim, verificar se as movimentações faciais estão em conformidades com as solicitadas pelo aplicativo.

Utilizando três scores e uma selfie de todo o rosto é possível garantir alguns pontos: com o Score Global é possível checar se o usuário está vivo; Com o Score de originalidade do vídeo, consegue-se garantir, por exemplo, que não é um vídeo sintético ou de foto. Por fim, o Score sobre os movimentos, é possível comparar os movimentos solicitados com os realizados.

A tecnologia de reconhecimento facial em conjunto com a biometria facial reduz bastante o risco de fraudes por personificação. Através de alguns movimentos faciais solicitados pela aplicação, juntamente a uma selfie, é realizada a comparação com a foto usada no documento, assim confirma-se que os usuários são quem realmente dizem ser.

E como é o processo completo do reconhecimento facial?

Explicando na prática, o processo é muito simples para o usuário:

  • Dentro do aplicativo da sua organização, o cliente pode capturar a vídeo-selfie e enviar para o backend da solução;
  • A MOST disponibilizará uma LIB que irá criptografar e compactar a vídeo-self;
  • O backend chama a API de liveness e envia o objeto criptografado;
  • O liveness processa esse objeto e retorna 3 scores: Score Global, Score de originalidade do vídeo e Score sobre os movimentos;
  • O Liveness retorna uma imagem centralizada, capturada durante os movimentos do usuário;
  • Sua aplicação chama a API da biometria facial, passando a imagem retornada pelo Liveness, mais a imagem do documento pessoal;
  • A biometria facial retorna a medida da distância entre as faces. Quanto menor este valor, maior é a similaridade.

Tudo isso feito em questões de segundos. Com o sistema, é possível realizar a prova de vida em qualquer lugar, simplesmente fazendo uma selfie e tirando uma foto de uma ou mais digitais.

reconhecimento facial é uma realidade na segurança pública e privada. Esta tecnologia já comprovou ser um eficiente método de particularização dos cidadãos, que aos poucos ganha cada dia mais espaço na realidade de processos que antes eram realizados apenas presencialmente e que agora podem ser feitos de forma muito mais simples. A tecnologia está facilitando a vida das pessoas.

Créditos: “por Deborah Modad”

Veja também últimos posts.